domingo, 10 de agosto de 2008

Novo Encontro

Os bichinhos de luz já deixavam suas asas pelos cantos dos lustres.Tornavam-se cupins.
Ela ficou nervosa como se estivesse vendo discos voadores e ele também ficou.
O tempo e a clandestinidade os levaram à embriaguez .Ela não se sentia à vontade com seu penteado e ele se desculpou pelos trajes simples.
Quando pediu para que ela mostrasse seu corpo ela não relutou e sem constrangimento obedeceu.
Não imagina o rubor que ela teve ao se lembrar disso no dia seguinte.
O perfume dela era o de sempre....O dele não era o mesmo do passado...promessas de não voltarem a se separarem e uma despreocupada amnésia a fazer que eles se esquecem que não seria possível.
Mas,aquela noite já bastou para refrescar a lembrança e os presentearem com novos momentos,além de alguns beijos e versos,de uma ligação perigosa.

Obs:Estas crônicas não têm conteúdo de contos,portanto não aguardem um final com solução de continuidade.

22 comentários:

Nilson Barcelli disse...

A lembrança pode ser refrescada por tantas coisas.
Gostei do seu mini-conto.
Bom Domingo, beijinhos.

Flávio Monte disse...

Olá, Aninha

Tantas saudades suas!!!
Mais um texto belo, um recital de volúpia e sensualidade. Gosto muito do que escreve e como escreve.

Um beijo atlântico

Divinius disse...

Muito lindo...)

Paula disse...

Olá, que bom que você já voltou! Esses encontros furtivos e com cara de remember e nostalgia são, ao mesmo tempo bons e ruins...

beijo

JamaL disse...

obrigado pela visita...

boa semana.

Beijo.

Ps.: vou sapear seu blog um pouco...rs

Só Magui disse...

Hormônios, nada mais.

P.Winter disse...

Oi,querida
Como sempre lindo!!Cheio de poesia e volúpia!Gosto muito de vir aqui!

Bjs

Maldito disse...

deliciosamente poético!

Débora disse...

Oi,Aninha

Suas crônicas seguem a linha de seus poemas..sempre com gostinho de "quero mais"

Bjs

Poeta Mauro Rocha disse...

Mas merecia uma continuação!!Um ótimo texto.

Um abraço!!

Tâmara disse...

Ola querida!
Esses encontros marcados ...sao sempre os mais sutis. Ate porque da mesma forma que ha o encontra, haverá a partida. E ai é onde mora o perigo...é quase dificil sairmos inteiros.

ERIKA disse...

Oi,Aninha

Adoro suas
escritas:poemas,contos,crônicas,seja o que for..tudo lindo!

bjs

Ricardo Rayol disse...

obediente essa mulher.

Sr do Vale disse...

As soluções no final, as vezes são forçadas, assim é mais real, assim dá pra ver as asas nos cantos dos lustres.

Abraços.

Poeta Mauro Rocha disse...

A primeira vez que fiz um comentário, o título era "Noo Encontro" achei engraçado efiquei pensando nessa palavra "Noo" se seria estrangeira ou se um neologismo, mas fiquei encantado com o título, mas agoravejo que só foi o "V" que não tinha chegado a tempo para a "fotografia" ai tiraram outra e tudo ficou certo,rsssrs. Mais uma vez quero dizer que o texto é ótimo.

Um abraço!!

Antonio Ximenes disse...

Não existe continuidade ou sentido em muitas coisas na vida.

Elas simplesmente acontecem... nos preenchem com emoções e sentimentos diversos... e findam sem aviso prévio.

Eu leio teus escritos e viajo nas descrições... e fico treinando minha imaginação.

Abração.

Nadja disse...

Que lindo!

Voce escreve com muita sensibilidade...


bjosss

Sara disse...

m curiosamente e gostei de tudo o que li e vi
bjs

BRUNO LEONARDO disse...

Oi,linda
Lindo!!!Seu cantinho e banhado de sensibilidade e muito amor...adoro isso tudo!

bjs

Flávio Monte disse...

Olá, Aninha

Estou precisando do seu coração em "Dardomeu". Ainda se lembra? Vou ressuscitá-lo, agora que um novo ano lectivo está quase a começar!
(www.dardomeu.blogspot.com)

Beijo atlântico

BANDEIRAS disse...

Parabéns pelo conto
Bjs

Véu de Maya disse...

Olá Aninha!

fiquei transeunte em viagens. não repondi ao teu desafio...ainda estou de passagem, mas para te enviar um grande abraço com muito afecto.