domingo, 1 de junho de 2008

Sonhos

Há de tudo na casa dos sonhos:anzóis,trincos,brincos,muitas elas enfeiticidas,vagos indícios da festa ida,chicletes,relâmpagos,uma pedregosa mina,as faces e as esquinas.
E aquele meu ar transado,de gozos infestado,e por onde passam os sonhos.
Logo atrás venho eu mesma,gasosamente a esmo,como se o mundo estivesse ali,impuro e fácil.
Flores reticentes também surgem,amores rugem,curiosas caixas de ferro,onde habitam meus mortos,desfilam almas,me dizem adeus,venha cá,até logo e nunca mais.
Meus sonhos caminham de botas no silêncio do meu quarto.
Palmilho vagarosamente o sonho e a treva de sua essência me assusta.
Sou dele escrava,objeto de seu engenho e se a vida não tenho,que me resta senão sonhar,um sempre desamar,soluços na terra e no mar.( Aninha)

10 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Palmilhe os caminhos, mas que não sejam eles tão fáceis.

Um olhar para dentro disse...

Aninha... adorei seu blog. O post anterior sobre as pétalas de flor é perfeito!!!
Posso voltar outras vezes?
Posso te add?
:***** querida e um lindo dia

Nadja Reis disse...

Belo texto!Me identifiquei muito com ele!Ah,e obrigada pela visita ao ''La vie en rose''! Volte sempre que desejar! bjoss

luis lourenço disse...

Um texto tão inocente e tão sonhador!
Um grito de liberdade num coração que não sabe viver sem sonhar e voar! Eis a frescura... já te linkei.

um beijinho

Débora disse...

Oi,Aninha
Obrigada pela visita.
Adorei o texto com estas imagens que aparecem nos sonhos e que se misturam com nossa realidade...

Estou em Maragogi...amanhã vou mergulhar nas piscinas naturais...ó,que chic!!!rs

abração

Edson Marques disse...

Aninha,

Gostei dos teus sonhos.
Marcaremos um encontro virtual...

No post de anteontem não era um burguês reclamando do vinho, mas um jovem mestre zen preparando uma profunda lição moral.
Aguarde, por favor.
Ainda não me julgue.
Não costumo dar pontos sem nós.
Nem laços.
Nem sozinho.

Abraços, flores, estrelas..

Luís Costa disse...

Aninha
Você não á apenas uma "gatinha". Está longe disso. Você tem uma escrita muito pessoal, cheia de surpreendentes imagens e associações de palavras. Gosto muito do seu discurso inovador, longe das convencionais metáforas: uma brisa fresca, que nos entra pela janela. Continue a cultivar esse estilo e a deixar que as suas palavras lhe venham do âmago.
Um beijo

disse...

Olá,Aninha
Esse discurso indireto que vc usa para demonstrar arquétipos me fascina..Nunca soube fazer isso.Sou curta e grossa!!rs
Mesmo assim passe por lá..

bjs

BRUNO LEONARDO disse...

oi,linda
Faltou muita coisa nessas imagens ,que a Jô chama de arquétipos.
Vejamos:cerveja,carro,rato,leão,língua,olhos te olhando,fechadura e o pior de tudo a cara da Elza Soares(caí da cama)...já sonhei com tudo isso..rsrs

beijos e desculpe a brincadeira

Bonequinha de Luxo disse...

Que lindo,Aninha

Seu texto é perfeito em forma e contúdo.Adorei!

Bjs